Outras Trilhas

Qual é a sua bússola?

Momentos cubanos

No ano passado, conheci em Cuba o fotógrafo brasileiro Tadeu Vilani no final da popular celebração do Dia da Trabalhador. Em poucos minutos de conversa, selamos uma parceria que teria como resultado as imagens realizadas para a reportagem que produzi para a revista Época sobre a blogueira Yoani Sanchez e a nova geração de cubanos.

Naquele momento, Tadeu estava entusiasmado com a possibilidade de voltar para a ilha no ano seguinte para as celebrações dos 50 anos da Revolução. O entusiasmo se transformou, de fato, em uma segunda viagem à ilha. “Acompanhando as notícias que circulavam, fiquei cada vez mais interessado em conhecer a ilha, e poder através da fotografia perceber as mudanças que estavam ocorrendo”, diz o fotógrafo.

As imagens dessas incursões por ruelas, casas, estradas, esquinas e plazas estão na exposição Compadre ?Que pasa? , que acontece entre os dias 27 e 30 de outubro no Centro de Eventos, Campus I, da UPF, em Passo Fundo.

Você também pode conferir as fotos da mostra em www.compadrequepasa.blogspot.com

Anúncios

outubro 16, 2009 Posted by | Em Cuba | , , , , | Deixe um comentário

Como evitar a gripe suína? – Parte II

Estava afastada do OutrasTrilhas nas últimas semanas e, ao conferir as estatísticas do blog, me surpreendi com o número de acessos ao post que escrevi meses atrás sobre a gripe suína. Como o post está totalmente desatualizado e o assunto ainda gera dúvidas, publico aqui as novas informações divulgadas no site do Ministério da Saúde.

Neste post, a lista começa com a pergunta 10. Prevenção é fundamental.

Perguntas e respostas sobre Influenza A (H1N1) – atualizadas em 16/07/2009

10. Como eu posso me prevenir da doença?
Alguns cuidados básicos de higiene podem ser tomados, como: lavar bem as mãos frequentemente com água e sabão, evitar tocar os olhos, boca e nariz após contato com superfícies, não compartilhar objetos de uso pessoal e cobrir a boca e o nariz com lenço descartável ao tossir ou espirrar.

1. Existe transmissão sustentada do vírus da Influenza A (H1N1) no Brasil?
Desde 24 de abril, data do primeiro alerta dado pela OMS (Organização Mundial da Saúde) sobre o surgimento da nova doença, até o dia 15 de julho, o Ministério da Saúde só havia registrado casos no país de pessoas que tinham contraído a doença no exterior ou pego de quem esteve fora. No dia 16 de julho, o Ministério da Saúde recebeu a notificação do primeiro caso de transmissão da Influenza A (H1N1) no Brasil sem esse tipo de vínculo. Trata-se de paciente do Estado de São Paulo, que morreu no último dia 30 de junho. Esse caso nos dá a primeira evidência de que o novo vírus está em circulação em território nacional. Todas as estratégias que o MS deveria adotar numa situação como esta já foram tomadas há quase três semanas. O Brasil se antecipou. A atualização constante de nossas ações contra a nova gripe permitiu que, neste momento, toda a rede de saúde esteja integrada para manter e reforçar as medidas de atenção à população.

2. Qual a diferença entre a gripe comum e a Influenza A (H1N1)?
Elas são causadas por diferentes subtipos do vírus Influenza. Os sintomas são muito parecidos e se confundem: febre repentina, tosse, dor de cabeça, dores musculares, dores nas articulações e coriza. Por isso, não importa, neste momento, saber se o que se tem é gripe comum ou a nova gripe. A orientação é, ao ter alguns desses sintomas, procure seu médico ou vá a um posto de saúde. É importante frisar que, na gripe comum, a maioria dos casos apresenta quadro clínico leve e quase 100% evoluem para a cura. Isso também ocorre na nova gripe. Em ambos os casos, o total de pessoas que morrem após contraírem o vírus em todo o mundo é, em média, de 0,5%.

3. Quando eu devo procurar um médico?
Se você tiver sintomas como febre repentina, tosse, dor de cabeça, dores musculares, dores nas articulações e coriza, procure um médico ou um serviço de saúde, como já se faz com a gripe comum.

4. O que fazer em caso de surgimento de sintomas?
Qualquer pessoa que apresente sintomas de gripe deve procurar seu médico de confiança ou o serviço de saúde mais próximo, para receber o tratamento adequado. Nos casos de agravamento ou de pessoas que façam parte do grupo de risco, os pacientes serão encaminhados a um dos 68 hospitais de referência.

5. Por que o exame laboratorial parou de ser realizado em todos os casos suspeitos?
Essa mudança ocorreu porque um percentual significativo — mais de 70% — das amostras de casos suspeitos analisadas em laboratórios de referência, antes dessa mudança, não era da nova gripe, mas de outros vírus respiratórios. Com o aumento do número de casos no país, a prioridade do sistema público de saúde é detectar e tratar com a máxima agilidade os casos graves e evitar mortes.

6. Se o exame não é realizado em todas as pessoas, isso significa que o número de casos registrados será subnotificado?
É importante ficar claro que vários países estão adotando a mesma prática, por recomendação da Organização Mundial da Saúde. Vamos continuar a registrar o número de casos. Como já ocorre com surtos de gripe comum, vamos confirmar uma amostra de casos e todos os outros que tiverem os mesmos sintomas e no mesmo ambiente, seja em casa, na escola, no trabalho, na igreja ou no clube, serão confirmados por vínculo epidemiológico. Além disso, temos no Brasil 62 unidades de “Rede Sentinela” em todos os estados, com a função de monitorar a circulação do vírus influenza e ocorrência de surtos. Essa rede permite que as autoridades sanitárias monitorem a ocorrência de surtos devido ao vírus da gripe comum — e, agora, do novo vírus — por meio da coleta sistemática de amostras e envio aos laboratórios de referência. É importante ficar claro que, a partir de agora, o objetivo não é saber se todos os que têm gripe foram infectados por vírus da influenza sazonal ou pelo novo vírus. Com o aumento no número de casos, passamos agora a trabalhar com o diagnóstico coletivo, exceto para aqueles que podem desenvolver a forma grave da doença, seja gripe comum ou gripe A.

7. Quais os critérios de utilização para o Tamiflu?
Apenas os pacientes com agravamento do estado de saúde nas primeiras 48 horas, desde o início dos sintomas, e as pessoas com maior risco de apresentar quadro clínico grave serão medicados com o Tamiflu. Os demais terão os sintomas tratados, de acordo com indicação médica. O objetivo é evitar o uso desnecessário e uma possível resistência ao medicamento, assim como já foi registrado no Reino Unido, Japão e Hong Kong. É importante lembrar, também, que todas as pessoas que compõem o grupo de risco para complicações de influenza requerem avaliação e monitoramento clínico constante de seu médico, para indicação ou não de tratamento com o Tamiflu. Esse grupo de risco é composto por: idosos acima de 60 anos, crianças menores de dois anos, gestantes, pessoas com diabetes, doença cardíaca, pulmonar ou renal crônica, deficiência imunológica (como pacientes com câncer, em tratamento para AIDS), e também pessoas com doenças provocadas por alterações da hemoglobina, como anemia falciforme.

8. O medicamento está em falta?
Não. O Ministério da Saúde possui estoque suficiente de medicamento para tratamento dos casos indicados. Além de comprimidos para uso imediato, temos matéria-prima para produzir mais nove milhões de tratamentos.

9. Os hospitais estão preparados para atender pacientes com a Influenza A (H1N1)?
Atualmente, o Brasil possui 68 hospitais de referência para tratamento de pacientes graves infectados pelo novo vírus. Nestas unidades, existem 900 leitos com isolamento adequado para atender aos casos que necessitem de internação. Todos os outros hospitais estão preparados para receber pacientes com sintomas leves de gripe.


agosto 22, 2009 Posted by | Brasil | , , | Deixe um comentário

All is full of love

Neste Dia dos Namorados, este blog recomenda All is full of Love, com Bjork. Escute a música, veja o vídeo e ame muito!

junho 12, 2009 Posted by | Café Outras Trilhas | , , , , | Deixe um comentário

Série para web baseada em Blade Runner adotará licença CC…

bits_bladerunner1

Foi confirmado esta semana. Ridley Scott, diretor de Blade Runner, vai produzir a versão web baseada no filme com licença copyleft intitulada “Purefold.” A informação  é do site da Creative Commons.

Leia mais no artigo do NYT

junho 6, 2009 Posted by | Café Outras Trilhas | , , , | Deixe um comentário

Benedetti: adios, maestro!

Em junho do ano passado, escrevi este post sobre o que seria a última obra do escritor Mario Benedetti, que nos deixou no último dia 17.

Li hoje a coluna de Ivan Martins, amigo que me apresentou o meu primeiro (de vários) Benedetti: A Trégua. Diz Ivan: “Descobri, como Benedetti, que amores imensos nunca se vão de todo. Eles ficam na memória e nos moldam a vida, mas não nos impedem de vivê-la. Como os melhores livros.”

Benedetti é assim. Deixa em nós, leitores, essas marcas indeléveis. Em mim, encravou a idéia de que o amor precisa ser intenso, incondicional e destemido. Um salto de parapente, um disparo de neve.

Como em um de seus mais famosos versos, “No te salves”, declamado pelo próprio autor no filme El lado obscuro del corazón. Versos que muitas vezes me ajudaram a arrancar medos e cruzar fronteiras.

Gracias, maestro!

No te salves

No te quedes inmóvil
al borde del camino
no congeles el júbilo
no quieras con desgana
no te salves ahora
ni nunca
no te salves
no te llenes de calma
no reserves del mundo
sólo un rincón tranquilo
no dejes caer los párpados
pesados como juicios
no te quedes sin labios
no te duermas sin sueño
no te pienses sin sangre
no te juzgues sin tiempo

pero si
pese a todo
no puedes evitarlo
y congelas el júbilo
y quieres con desgana
y te salvas ahora
y te llenas de calma
y reservas del mundo
sólo un rincón tranquilo
y dejas caer los párpados
pesados como juicios
y te secas sin labios
y te duermes sin sueño
y te piensas sin sangre
y te juzgas sin tiempo
y te quedas inmóvil
al borde del camino
y te salvas
entonces
no te quedes conmigo.

maio 22, 2009 Posted by | Café Outras Trilhas | , , , , , , , , | 2 Comentários

Simonal: he is back!

Não faltam razões para você conferir “Simonal: ninguém sabe o duro que eu dei”, dirigido por Claudio Manoel (Casseta & Planeta), Micael Langer e Calvito Leal

O documentário reconta a ascensão e queda de um dos maiores cantores brasileiros de todos os tempos. Ou, como diz Miele (um dos entrevistados do filme) seria o maior?

Se não foi maior, Simonal foi, pelo menos, o primeiro e mais incrível entertainer brasileiro. Dominava platéis com um jeito único (quase sempre debochado) e com suas interpretações versáteis. Na história da MPB, exisitiram poucos artistas tão populares e queridos pelo público. Driblou com maestria as barreiras do preconceito racial que, do seu jeito, tratava de criticar em algumas de suas apresentações.

Sua carreira meteórica foi interrompida com as acusações sobre seu suposto apoio à ditadura. Abandonado pela classe artística, linchado pela mídia, sofreu até o final dos seus dias o ostracismo siberiano, para usar a metáfora do jornalista Arthur da Távola. Obscuro e solitário, caiu em depressão e tornou-se alcóolatra. No final dos seus dias, peregrinou por programas de TV para mostrar, com documentos, que nunca havia flertado com os militares.  Em vão. Trinta anos depois do início de sua tragédia pessoal, Simonal não havia conseguido livrar-se do fantasma do passado. Perdeu Simonal, perdemos todos nós, sem a chance de conhecer outras façanhas desse showman.

E é exatamente esse o principal motivo para você assisir “Simonal: ninguém sabe o duro que eu dei.” O filme traz de volta aquele Simonal cheio de suingue e versatilidade que as novas gerações não tiveram o privilégio de conhecer. Mais do que fazer o justiça ao cantor, o trio de diretores oferece a muitos telespectadores como eu a oportunidade de conhecer um artista brasileiro smplesmente genial.

Se você ainda tem alguma dúvida, veja este encontro entre Simonal e Sarah Vaughan…

maio 18, 2009 Posted by | Café Outras Trilhas | , , , , , , , , , , | Deixe um comentário

Stephen Fry e os analógicos-digitais

Ao buscar uma foto do ator Stephen Fry para o post anterior, encontrei este artigo de outubro de 2007, o primeiro escrito por ele para a sua coluna no inglês The Guardian. Ainda que tenha sido divulgado há quase um ano e meio, continua atual.

Se você, como eu, também é “apaixonado pelo novo” e encara a tecnologia como uma forma de expressar sua grandeza analógica, não deixe de ler o artigo. This is THE guy! Com vocês, Stephen Fry.

maio 16, 2009 Posted by | Os Analógicos-Digitais | , , | Deixe um comentário

Sigam-me os bons: Geeks para seguir no Twitter

fry

Stephen Fry: entre os 100 geeks que vc deveria seguir no Twitter

E a popularidade do Twitter cresce a cada dia. Em todo o mundo, mais pessoas estão respondendo, no enxuto espaço de até 140 caracteres, a famosa pergunta: “o que você está fazendo?”.

Você está no Twitter? Então já deve ter percebido que um dos grandes baratos dessa mídia social é receber informação interessante e, alguma vezes, até em primeira mão. Ou seja, a rede social oferece a você a possibilidade de ficar por dentro do que está acontecendo no mundo (e, claro, não está sendo divulgando pela mídia tradicional…) ou na vida das pessoas, famosas (como o pentelho do Ashton Kutcher) ou anônimas.

Veja: nada contra, mas não estou me referindo apenas aos “tweets literais” na linha “…em casa, escutando música..” .

Quando as pessoas me perguntam sobre o Twitter, costumo dizer o óbvio: nessa rede social, uma das sacadas é escolher bem QUEM você deseja seguir para evitar mensagens chatas, spams disfarçados ou lixo comercial. E, claro, receber informação de primeira.

O blog GeekDad, por exemplo, preparou uma lista dos 100 geeks que, segundo ele, você deveria seguir no Twitter. O blog recomenda tuiteros como Al Yankovic, considerado um icone da música geek (?), o astronauta Mike Massimino (o primeiro a enviar um tweet … diretamente do espaço) e, claro, Stephen Fry and Neil Gaiman himself. Como a lista só inclui o povo que fala inglês, não cita os must-follow brasileiros como @cesaraovivo. Mesmo assim, vale a pena consultá-la para saber o que essa galera anda fazendo e dizendo.

PS.: tente ler primeiro os tweets dos caras recomendados pelo GeekDad antes de segui-los. Definitavamente, não recomendaria a inclusão de muitos deles na sua trilha.

maio 16, 2009 Posted by | Os Analógicos-Digitais | , , , , , , , , , | 1 Comentário

Fora, Gilmar! Confira a cobertura da manifestação

Estou participando de um workshop organizado pelo UNICEF no Panama e, infelizmente, não pude participar da manifestação Fora, Gilmar! em Brasília. Mas acompanhei o protesto por meio da cobertura feita por Emerson Luis. Mais uma vez, a mídia tradicional falhou em divulgar um evento mais do que relevante. No problem. Você pode conferir o que aconteceu por meio dos vídeos d Andrea VG e do relato do blogueiro.

maio 8, 2009 Posted by | Outros relatos | , , , | Deixe um comentário

Dicas para @ ativista digital

computador

Em sua palestra sobre novas mídias, realizada em um workshop do UNICEF aqui no Panamá, Georgia Popplewell, do portal Global Voices, deu algumas boas dicas para os ativistas digitais:

The DigiActive Guide to Twitter for Activism: a DigiActive, organização que se dedica a ajudar ativistas do mundo inteiro a usarem a tecnologia digital, oferece um guia online para quem deseja usar o Twitter para ações de mobilização social. Está disponível apenas em inglês.

Ativismo por celulares: http://www.mobileactive.org (informações e dicas de como usar o celular para ações de engajamento social) e frontlinesms.com (permite envio e recebimento de msg para grupos grandes).

Arrecadação de fundos: o Twitter oferece uma ferramenta para as organizações que desejam arrecadar recursos entre internautas comprometidos com as causas sociais http://tipjoy.com/

Radio: http://www.broadcastyourpodcast.com é uma alternativa para pretende unir o bom e velho rádio e a Internet

maio 8, 2009 Posted by | Os Analógicos-Digitais | , , , , , | Deixe um comentário