Outras Trilhas

Qual é a sua bússola?

O acelerado ritmo dos transgênicos

O mapa mostra o avanço dos organismos geneticamente modificados (também conhecidos como transgênicos) e foi publicado em fevereiro pela The Economist. Entre os 23 países que adotaram os OGM, o Brasil apresentava um crescimento de 30% da produção desse tipo de alimento entre 2006 e 2007. Um avanço significativo, mas inferior ao de países como Índia (63%) ou Filipinas (50%).

Esta semana, duas notícias confirmam que o ritmo de expansão dos OGMs está tão acelerado quanto a alta dos preços de alimentos.

No Brasil, o Conselho Nacional de Biossegurança (CNBS) aprovou na última quarta-feira, dia 18, uma nova variedade de milho transgênico. Em fevereiro, haviam sido autorizadas outras duas variedades, uma da Bayer e outra da Monsanto. A variedade foi liberada mesmo sem atender aos questionamentos da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), segundo nota do Greenpeace.

Segundo a ONG, a Anvisa e o Ibama já entraram com recursos contra a liberação comercial pela CTNBio dos milhos da Bayer e da Monsanto porque as empresas não apresentaram estudos que comprovassem a segurança dos produtos para o meio ambiente e para a saúde humana.

——/

Agora, veja novamente o mapa. Nada na América Central, não é? Até ontem. A Monsanto anunciou a compra do grupo gualtemateco Sementes Cristiani Burkard (SCB) por um valor não revelado. Com a transação, a multinacional poderá expandir seu mercado de sementes de milho nessa região.

Novamente: não se trata apenas de questões pontuais, mas da triste confirmação de uma tendência.

A Monsanto é líder mundial na produção do herbicida glifosato, vendido sob a marca Roundup. Também é líder mundial na produção de sementes geneticamente modificadas. Em poucas palavras, é peça-chave no avanço dos OGMs em todo o mundo.

Em um comunicado, a empresa informa que espera impulsionar as capacidades das duas companhias nas áreas de pesquisa e desenvolvimento no domínio da manipulação genética e hibridação para “oferecer um millho mais novo e altamente inovador aos agricultores.”

O que, para alguns, pode ser a salvação da lavoura e da crise de alimentos, deveria ser encarada com mais seriedade e preocupação.

Não há ninguém que comprove, até o presente momento, que esses alimentos são 100% seguros para o consumo humano. Os impactos ambientais são imprevisíveis e irreversíveis.

Sem falar dos aspectos sociais e econômicos. Os defensores dos OGM, como a Monsanto, afirmam que o cultivo dessas sementes aumentam a produtividade e trazem benefícios para pequenos agricultores nos países em desenvolvimento.

Segundos críticos, até o momento, nenhum transgênico plantado comercialmente apresentou aumento de produtividade. Além disso, os pequenos agricultores ficam dependentes dos pacote semente-herbicida vendido pela Monsanto.

Segundo o Greenpeace: “em 2007, a Confederação Nacional da Agricultura (CNA) divulgou nota informando que os agricultores que plantaram soja transgênica tiveram mais custos do que os que optaram pela soja convencional. Isso porque o glifosato, agrotóxico usado na soja transgênica, teve um aumento de 50% em seu preço, levando os custos de produção de soja transgênica para as alturas”.

Desnecessário mencionar a importância social do milho em países como México e da América Central, principalmente para as famílias de baixa renda. No México, a campanha Sin Maíz no Hay Maíz (Sem milho não há país) está fazendo barulho e reunindo diversas organizações mexicanas e estrangeiras (como a Oxfam).

Se você, como eu, desconfia dos transgênicos e das boas intenções da Monsanto, boicote os produtos que contenham soja ou milho geneticamente modificados. Clique aqui e conheça a lista produtos produzida pelo Greenpeace.

Anúncios

junho 20, 2008 - Posted by | México, Outra economia | , , , , , , , , , , ,

4 Comentários »

  1. Infelizmente os transgênicos serão liberados e plantados em muitos lugares do mundo, contaminando tanto os convencionais quanto os orgânicos. Mas nós não podemos ser obrigados a consumir algo que não queremos. É isto que o lobby das grandes multinacionais está fazendo… querendo tirar o nosso direito de escolha! está agindo através da bancada ruralista do senado, querendo alterar o projeto que obriga a identificação dos transgênicos através do triângulo amarelo com o T. Temos que agir enviando cartas e emails para os senadores. Queremos escolher o que comer!
    Transgênicos Não! (http://transgenicosnao.blogspot.com)

    Comentário por Transgênicos Não! | julho 3, 2008 | Responder

  2. Creio que o debate sobre OGM deve estar atrelado a uma política pública mais ampla, que inclua geração de emprego e renda no campo, democratização de acesso a terra/tecnologia/semente, saúde do trabalhador rural, etc.. Da forma como o debate está sendo pautado, levando-se em consideração mais a “discussão científica”, sem se pensar na conseqüência social e política, é ruim para o Brasil. Sou totalmente favorável às pesquisas, inclusive da diversidade de pesquisas – pesquisar OGM é uma linha dentro de outras mil técnicas de cultivo de alimentos, sofisticadas e que demandam pesquisas de ponta – mas sou contra a concentração de produção de sementes. Se no Brasil se contam nos dedos os fornecedores de OGM isso está muito errado. E se os agricultores ficam presos a um determinado fornecedor de herbicida, isso está mais errado ainda. Se a agricultura mecanizada emprega menos pessoas no campo do que a agricultura familiar, isso também não colabora para a inclusão social. Temos que pensar como país, a longo prazo. Proibir temporariamente o comércio de OGM pode ser, sim, uma questão estratégica de soberania nacional. E não de cerceamento à pesquisa de OGM ou acesso a novas tecnologias, como querem fazer crer algumas pessoas.

    Comentário por Amanda | julho 4, 2008 | Responder

  3. Dear Friend!
    Welcome to my “Blog”, with electronic adress URL: http://nikotev.wordpress.com/
    In the new variant of the blog there are very much new informers, themes, banners and analisys by the variouse problems of the military history and policy. They will be very interesting for you! In the world system of the cybersytes, the blog received a high mark “600,5”.
    Your friend Nikolay Kotev

    Comentário por Nickolay Kotev | janeiro 14, 2009 | Responder

  4. Acredito que todos os comentários expostos, são de pessoas de elevado nível cultural, que tem profundo conhecimento das teorias, porém alguém de vocês é agricultor? Já foi alguma vez na vida? É hora de para com utopia e ver os benefícios que a biotecnologia está trazendo para os agricultores, os milhares de quilos a menos de químicos que serão aplicados no campo todos os anos, redução de grande numero de agricultores que todo ano se intoxicam com aplicações de agroquímicos, aumento da produtividade, possibilitando o País crescer em produção sem ter que desmatar, e uma série de outros benifícios, que só quem está diretamente ligado a agricultura conhece, e vivencia. E em contrapartida não se provou nada contra os transgênicos. Pensem, e procurem conhecer a realidade.

    Comentário por EDUARDO | fevereiro 19, 2009 | Responder


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: